Novidades > Artigos

20/05/2007
Veredas, oásis da biodiversidade do Cerrado

Foto Anterior Legenda da foto bla bla bal baljjflakjf adflajf adf Foto Posterior
Exuberantes oásis nas vastidões do Cerrado do Planalto Central, as veredas reúnem uma singular e frágil biodiversidade de flora e fauna, onde se destacam, imponentes, as palmeiras buritis e as araras canindé, que se alimentam de seus frutos. No curso das veredas, grandes ou pequenas, as águas brotam e afloram da terra, formam cursos d`água que perenizam córregos e riachos que injetam a vida no majestoso rio São Francisco.

“De longe a gente avista os buritis, e já se sabe: lá se encontra água”, cantou o poeta João Guimarães Rosa. E esta foi a paisagem que encantou a Comitiva do Sertão das Gerais no terceiro dia da viagem, desde Andrequicé até a Fazenda de Santa Catarina, ao cortar a Vereda São José, cujas águas afluem para o ribeirão do Boi. Com cerca de uma légua e meia de extensão, a Vereda São José tem uma importância que transcende as questões ecológicas. Ela é fonte de vida para dezenas de famílias ribeirinhas, como a de Juveci Gonçalves, que sobrevivem da abundância de seus frutos.

Há quase 200 anos, os naturalistas Spix e Martius, em sua viagem pelo Brasil, já haviam registrado a importância dos buritis para o sertanejo. “O buritis fornece aos habitantes fio e fibra resistentes, retiradas de suas folhas; com as folhas, dá cobertura para as palhoças; fazem-se gradeados e bolsa com as partes periféricas de seu caule; remos com o talo de suas folhas; uma bebida muito agradável com a polpa de coco, doce apreciado e artigo de comércio do sertão de Minas”.

Entretanto, a rica biodiversidade das veredas está cada vez mais ameaçada pelo avanço implacável das monoculturas sobre o Cerrado. Depois da Vereda de São José, por exemplo, a paisagem na rota da comitiva voltou a ser dominada pelos eucaliptos recém plantados pela siderúrgica Metal Sider em uma área de mil hectares.